Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


O Benfica venceu o Estoril, por 4-0, no Estádio da Luz, e entrou desta forma a ganhar na Liga. Foi o primeiro triunfo deste arranque de temporada sob a orientação de Rui Vitória e o início perfeito para o sonho encarnado do ‘tri’. Os golos de Mitroglou, Jonas (2) e do jovem Nélson Semedo ditaram uma vitória que apenas se escreveu nos últimos 20 minutos.

Benfica_Estoril_1.jpg

Com os regressos de Luisão, Eliseu e Pizzi ao onze e a estreia de Mitroglou, o Benfica acusou a surpresa de enfrentar uma boa entrada do Estoril. A formação comandada por Fabiano Soares entrou desinibida e nos primeiros minutos dominou mesmo a partida, empurrando o jogo para junto da baliza de Júlio César. 

Por sua vez, um Benfica desconexo e sem ligação entre os sectores pouco conseguia fazer para travar a boa atuação estorilista na Luz. Foi preciso esperar quase 15 minutos para os bicampeões se começarem a soltar, mas sempre num voo baixinho e sem grande espectáculo. Aos 25', Mitroglou começou a dar nas vistas, colocando a bola na baliza de Kieszek, mas o lance foi anulado por fora de jogo do grego. O melhor momento dos encarnados sucedeu aos 40’, quando Luisão quase fez golo, ao atirar à trave depois de uma assistência de Gaitán.

Benfica_Estoril_2.jpg

No entanto, a melhor ocasião do primeiro tempo pertenceu mesmo ao Estoril, quando Léo Bonatini surgiu já em pleno período de descontos isolado perante Júlio César. O guardião brasileiro fez uma mancha perfeita e negou o golo, segurando assim o 0-0 ao intervalo.

A façanha conseguida por Júlio César teria direito a repetição logo no segundo minuto da segunda parte, com uma defesa por instinto a remate de Sebá. O Benfica mostrava grandes dificuldades para construir o seu jogo ofensivo e consentia igualmente algumas investidas de um Estoril cheio de personalidade. Foi então que Rui Vitória sentiu a necessidade de agitar o jogo e lançou aos 61' os brasileiros Talisca e Victor Andrade, com este último a fazer a sua estreia oficial pelo clube da Luz. E foi uma primeira impressão positiva, com o jovem a ocupar o lugar de Ola John e a corresponder bem.

Benfica_Estoril_3.jpg

Rui Vitória prometera na véspera que a equipa encarnada ia entrar nos eixos, depois de uma má pré-época. Só não tinha avisado que seria preciso esperar 74 minutos para ver o clube da Luz a finalmente acertar o rumo. Depois de duas ocasiões clamorosas desperdiçadas, o estreante Mitroglou fez de cabeça o 1-0 e deixou a Luz respirar de alívio, na sequência de um cruzamento de Gaitán. Estava feito o mais difícil, como se veria nos minutos seguintes.

Com efeito, no espaço de 15 minutos o Benfica acabaria por construir uma goleada. Jonas elevou para 2-0 quatro minutos depois, na conversão de uma grande penalidade por mão de Mattheus na área. Logo de seguida, aos 81', Jonas mostrou novamente pontaria afinada e finalizou de cabeça um bom passe de Victor Andrade. Por fim, aos 89', o jovem Nélson Semedo, um dos melhores na noite encarnada, colocou um ponto final no resultado, após uma excelente assistência de Gaitán.

Benfica_Estoril_4.jpg

O 4-0 final esconde as dificuldades sentidas pelo Benfica na finalização e na construção do jogo ofensivo, mas não deixa de ser inequivocamente justa. O bicampeão nacional conquistou os primeiros três pontos, que permitiu assim apanhar os rivais FC Porto e Sporting no topo da Liga.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


SL Benfica 4-1 Maritimo

por João Silva, em 23.05.15

Foi sob o signo do 34 que os jogadores do Sport Lisboa e Benfica e do Marítimo subiram ao tapete verde da Luz para encerrar a edição 2014/15 da Liga NOS. Nas bancadas, as 60.532 pessoas abriram os braços ao Bicampeão – qual abraço a celebrar o Dia do Abraço que teve lugar no dia 22 de maio – transmitiram, com o cântico “O Campeão Voltou!” todo o calor da nação Benfiquista.

Pintados a rigor como se pede em dia de festa, os jogadores da “águia” entraram com um Futebol fluído e os primeiros festejos deram-se logo aos cinco minutos. Eliseu lançou a bola da linha lateral, na área a bola sobrou para Lima que redopiou sobre si mesmo e atirou para o 1-0.

Os adeptos apoiavam ruidosa e incessantemente e a equipa correspondia com “nota artística”. À passagem do minuto 12, um livre de laboratório de Gaitán encontrou Jardel ao segundo poste. O defesa brasileiro assistiu o conterrâneo, Lima, mas Rúben Ferreira opôs-se.

Havia espetáculo na Luz e nas duas balizas com Júlio César a evitar por duas vezes o golo madeirense. Aos 15 minutos, Alex Soares, só na área atira a contar e no minuto seguinte foi Marega e testar a atenção do brasileiro.

O jogo entrou depois numa toada mais morna, com o “frisson” a andar distante de ambas as balizas até que aos 31 minutos, Marega empatou a partida. O golo fez crescer o Marítimo, com Danilo, através de um potente remate, a assustar Júlio César aos 35 minutos.

Parecia que o Bicampeão tinha sentido o golo, mas nada mais errado. Quando o relógio assinalava os 42 minutos, Salvio descobriu Lima que endossou para Jonas que, em cima da linha de golo, empurrou para o 2-1. Ainda se festejava na Luz e já Marega obrigava Júlio César a mais uma vistosa intervenção (43’).

A etapa complementar começou com mais Benfica. Aos 48 minutos, Salvio, do lado direito, descobriu a cabeça de Jonas na área, mas o esférico morreu nas mãos de Wellington. Poucos minutos depois, Jonas inventou uma jogada de génio, deixou uma série de adversários para trás e isolado frente a Wellington atirou cruzado a centímetros do poste. Seria um golão!

Seguiram-se três minutos de luxo na Luz. Aos 57’, Lima dispara forte um tudo-nada ao lado da baliza insular. À passagem do minuto 59, Talisca rematou forte para defesa de Wellington e na sequência da jogada, Maxi Pereira assistiu Lima para o 3-1. Ficaram dúvidas acerca da posição do defesa direito uruguaio.

Jonas poderia ter ficado a um golo de se tornar o melhor marcador do Campeonato, quando aos 67’, Gaitán assistiu o avançado, mas o árbitro assistente, Luís Ramos, com um erro gritante, anulou o tento limpo ao Benfica.

Parecia que Deus escrevia direito por linhas tortas quando Sílvio assistiu Jonas para o 4-1 aos 82’, mas o avançado já não foi a tempo de fazer o golo que lhe faltava para ser o melhor marcador. Sete minutos depois, Júlio César ainda voltou a negar a sorte a Marega.

O Bicampeão Nacional fecha a Liga NOS com 86 golos em 34 jogos, e 85 pontos, fruto de 27 vitórias, quatro empates e três desaires.

O SL Benfica alinhou com Júlio César; Maxi Pereira; Luisão, Jardel, Eliseu (Sílvio, 60’); Samaris, Pizzi (Talisca, 45’), Salvio (Mukhtar, 74’), Gaitán; Jonas e Lima.

Fonte: SLBenfica.pt

Benfica_Campeão_2014-2015.jpg

 PARABÉNS BICAMPEÕES NACIONAIS!

Autoria e outros dados (tags, etc)


Benfica é Bicampeão Nacional

por João Silva, em 18.05.15

O Benfica viajou até à Cidade Berço, onde defrontou a formação do Vitória de Guimarães numa partida relativa à 33.ª jornada da I Liga.

Com duas rondas por disputar até à final da competição, o Glorioso entrou em campo a precisar de três pontos – ou fazer o mesmo resultado que o 2.º classificado, FC Porto, no Restelo - para atingir o grande objetivo da temporada, a conquista do Bicampeonato Nacional, algo que fugia ao Clube desde a temporada de 1983/84.

O sonho estava bem vivo, a “maré vermelha” respondeu mais uma vez à chamada e inundou a cidade onde nasceu Portugal e que, fruto de uma grande exibição da equipa comandada por Jorge Jesus – com nota técnica e artística – viu renascer o Bicampeão!

E no Estádio D. Afonso Henriques foi um Benfica também ele com o cognome de conquistador aquele que entrou em campo… poderoso, fulgurante e ambicioso!

Aos três minutos duas claras oportunidades de golo! Lima cruzou, na pequena área, Jonas, de cabeça, atirou à barra; no lance seguinte, Lima surgiu isolado na cara de Douglas, depois de assistência sublime de calcanhar de Jonas, mas o chapéu saiu com aba larga… ligeiramente por cima da trave.

Aos 6’ gritou-se golo nas bancadas, depois de Salvio atirar para o fundo das redes vimaranenses, mas Artur Soares Dias anula – mal! – o lance.

O Benfica não tirava o pé do acelerador e ainda antes da meia hora mais dois lances de golo! Primeiro, aos 9’, Jonas; depois, aos 12’, é Maxi Pereira quem vê o poste beijar a bola e devolvê-la!

Só dava Benfica e somente aos 28’, grande intervenção de Júlio César perante a aproximação de Sammy, depois de cruzamento perigoso de Ricardo Valente.

A partir daqui o jogo abriu ainda mais, a intensidade subiu e assistiu-se a um grande espetáculo de Futebol onde só faltavam os golos…

Obrigada, querido Benfica!

Na segunda metade o ritmo decaiu, a intensidade idem, logo, foi o espetáculo quem sofreu com isso, com as oportunidades a escassearem e o jogo a tornar-se mais mastigado.

Aos 53’, nova oportunidade para os “encarnados”, com Gaitán a cruzar para cabeceamento perigoso de Maxi. Douglas, no lugar certo, respondeu bem.

O Benfica continuava a procurar o golo, mas faltava algum discernimento na hora H, e começava a sentir-se alguma ansiedade em resolver, com o coração a sobrepor-se à razão!

Até ao final da partida não houve golos, mas com o empate do FC Porto a uma bola no Restelo, frente ao Belenenses, o Sport Lisboa e Benfica sagrou-se Bicampeão Nacional.

 

O SL Benfica alinhou de início com Júlio César; Maxi Pereira, Luisão, Jardel, Eliseu; Fejsa (André Almeida, 82’), Pizzi (Talisca, 67’), Salvio, Nico Gaitán; Lima e Jonas (Derley, 86’).

No próximo fim de semana disputa-se a 34.ª e última jornada da I Liga. O Sport Lisboa e Benfica fecha as contas do Campeonato Nacional no Estádio da Luz, frente à formação do Marítimo, no jogo de consagração do Bicampeão!

Autoria e outros dados (tags, etc)


Gil Vicente 0-5 SL Benfica

por João Silva, em 03.05.15

Com toda a tranquilidade, o Benfica foi a Barcelos arrancar um triunfo inequívoco, dando um passo de gigante rumo ao 34º título. Vencendo dois jogos dos últimos três que faltam, o Benfica tem o bicampeonato garantido, o que não consegue desde a longínqua temporada de 1983-84.

Jonas.jpg

Jesus surpreendeu ao estrear nesta temporada Sulejmani na equipa titular, mas a surpreendente aposta acabou por revelar-se acertada. O extremo teve um papel decisivo no primeiro golo, ao fazer uma sublime assistência para Maxi, que finalizou uma das melhores jogadas do campeonato.

Sulejmani.jpg

O Benfica começou bem o jogo, resolvendo o problema nos primeiros 22 minutos, período onde Maxi e Jonas deram dois golos de vantagem à equipa de Jorge Jesus. Na segunda parte, 33 segundos após o recomeço do jogo, na sequência de um canto, Luisão ganhou nas alturas e fez o 3-0. As poucas dúvidas que podiam existir no descanso sobre o nome do vencedor ficaram desfeitas. Aos 59’, Lima eleva para quatro, fazendo o 7.º golo em 5 jogos disputados na casa do Gil Vicente. A contagem ficou fechada com um bis de Maxi na partida, um feito que até ao momento nunca tinha sido alcançado pelo jogador.

Maxi_Pereira.jpg

O único aspecto negativo desta partida foi a lesão muscular de Gaitán, que teve que sair agarrado à coxa, cedendo o seu lugar a Fejsa.

Faltam 3 jornadas para o fim do campeonato, o Benfica precisa apenas de conquistar 6 pontos (caso o fcp ganhe todos os jogos) para alcançar o tão desejado bicampeonato, nada está ganho é certo, mas a equipa de Jorge jesus tem tudo para ser feliz.

Plantel_Benfica.jpg

O Benfica alinhou com o seguinte onze inicial: Júlio César; Maxi Pereira, Luisão, Jardel e Eliseu; Sulejmani (74’ Talisca), Samaris (76’ Ruben Amorim), Pizzi e Gaitán (42’ Fejsa); Jonas e Lima.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


SL Benfica 0-0 FC Porto

por João Silva, em 27.04.15

Estádio da Luz completamente lotado,  momentos arrepiantes, com as bancadas da Luz a executarem uma mega coreografia única em Portugal, com o apoio de 63 534 mil adeptos.

Separados por apenas três pontos, os dois primeiros classificados entraram em campo cientes da responsabilidade e da importância deste jogo. Algumas caras novas, estratégias muito específicas, mas o mesmo ADN e a mesma ideia de jogo.

No primeiro tempo, houve pouco futebol e muita disputa de bola. Quase sem remates, acabou por ser Jackson Martínez a estar mais perto de inaugurar o marcador.

No segundo tempo, ambas equipas criaram mais perigo e fizeram vibrar, por várias vezes as bancadas da Luz, mas o golo acabou por não surgir naquele que prometia ser o jogo do ano.

Com este resultado, o Benfica mantém os três pontos de vantagem sobre o rival, porém, com vantagem no confronto direto com os dragões, isto quando faltam agora quatro Finais até ao fim do campeonato.

O Sport Lisboa de Benfica alinhou de início com Júlio César, Eliseu, Luisão, Jardel e Maxi Pereira; Samaris, Pizzi (André Almeida, 81’), Talisca (Fejsa, 63’) e Gaitán; Lima e Jonas (90+2', Ola John).

Segue-se a deslocação a Barcelos, onde caso o Benfica vença a partida - como espero e acredito - dá um passo de gigante para a conquista do bicampeonato.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Num "mini-Estadio da Luz" no Restelo, Jonas confirmou a tão importante vitória do Benfica com a marcação de dois golos.

Desta forma, o Benfica mantém a vantagem de três pontos para o segundo classificado, o FC Porto, antes do clássico do próximo fim de semana.

Jorge Jesus analisou a exibição da equipa no final do jogo frente ao Belenenses.

Neste jogo, em termos ofensivos, fomos eficazes a 100 por cento, fomos pragmáticos e jogámos com o resultado. O relvado estava muito duro. Defensivamente estivemos sempre bem, com exceção ao último lance do desafio. Não criámos muitas oportunidades mas quando conseguimos, marcámos”, realçou.

A ala direita do Benfica foi diferente do habitual. Maxi Pereira estava castigado e a ausência de Salvio acabou por ser a surpresa. O técnico explicou porquê… “Não tivemos Salvio e Maxi Pereira. O Salvio, no treino, fez uma lesão muscular e ainda nem sabemos se vai jogar com o FC Porto”, revelou.

O próximo embate é o clássico na Luz, mas Jorge Jesus sublinhou que só pensa num jogo de cada vez. “Estamos em primeiro, mas o que importava era ganhar o Belenenses e por isso não poupei a pensar nos cartões amarelos. Fazemos as contas jogo a jogo”, finalizou.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Simbolo
Fundador
114_anos

OBENFICA

MISTICA

twiiter

# Classificação 2018/19







Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D


CONTACTO emailsilva.joaodiogo@hotmail.com