Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A SAD do Benfica foi ilibada nesta sexta-feira de todos os crimes de que era acusada no caso e-Toupeira. As acusações a um dos funcionários judiciais, Júlio Loureiro, também caíram.

Por outro lado, Paulo Gonçalves, ex-assessor jurídico do Benfica, e José Silva, outro funcionário de justiça, vão a julgamento por crimes de corrupção. Este segundo estava em prisão domiciliária e vai aguardar julgamento em liberdade, disse o advogado Paulo Gomes.

O Ministério Público pode recorrer da decisão sobre a não pronúncia de alguns dos arguidos pelo Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC) no prazo de 30 dias.

Estamos satisfeitos. Era exactamente esta a expectativa que tínhamos. Era aquilo que queríamos estávamos convictos disso. Foi uma decisão juridicamente correcta. Se o MP recorrer, nós responderemos", disse aos jornalistas o advogado que representou a Benfica SAD neste caso à porta do TCIC, Rui Patrício.

Os representantes jurídicos da Benfica SAD escusaram-se a comentar se está em cima da mesa processar Paulo Gonçalves ou se foi exigida uma indemnização após a queda da acusação.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Um Benfica-Sp. Braga mesmo em cima do Natal, na ronda que fecha o campeonato em 2018 e tem muito a dizer no futuro da corrida que é a Liga. Um teste a duas equipas em circunstâncias diferentes, historicamente a pender para o Benfica. Acima, de tudo, «um jogo entre candidatos, sem dúvida».

A opinião é de João Tomás, antigo goleador que jogou de um lado e doutro. Primeiro no Benfica, entre 1999 e 2001, mais tarde em Braga, em duas passagens diferentes, de 2004 a 2006 e depois em 2007/08. É ele quem olha com o Maisfutebol para o Benfica-Sp. Braga que aí vem. O que esperar, o que quer dizer o peso da história e um olhar especial para os goleadores das duas equipas.

João Tomás começa por deixar claro que, ainda que não tenha passado mais que uma década, quando jogou na Luz e depois em Braga eram outros tempos e este jogo não tinha a carga que tem agora. «No meu tempo de Benfica o Sp. Braga não tinha esta dimensão. Não se pode comparar com o meu tempo, são circunstâncias totalmente diferentes, para os dois clubes», começa por observar. A diferença é que o Sp. Braga cresceu de forma consistente desde então. «Agora o Benfica-Sp. Braga é um jogo que já se tornou um clássico. O Sp. Braga tem ganho estatuto, faz parte do processo de crescimento.»

Os minhotos assumem a ambição de chegar um dia ao título. Este ano andam ali, na luta, nesta altura a três pontos do líder FC Porto. Nas últimas épocas já têm andado a intrometer-se entre os «grandes». Este ano essa caminhada tem sido consistente. Se é uma candidatura diferente, mais forte, ainda é cedo para dizer, diz João Tomás: «Não sei se é diferente. Para quem está de fora, o que dá para perceber é que o Sp. Braga cada vez está mais preparado para fazer frente aos grandes. As classificações dos últimos anos têm mostrado exatamente isso. É visível, e agora está na luta como nunca.»

«Neste momento o Sp. Braga tem tudo, boa equipa e estrutura. Partilho da opinião do Abel. Mais cedo ou mais tarde o Sp. Braga vai ser campeão. E talvez mais cedo do que se pensa», defende.

Na Luz, João Tomás espera um Braga a assumir a ambição. «O Braga vai entrar para ganhar. Acredito que vá ser um jogo espetacular, as duas equipas a querer ganhar. O Sp. Braga visitou o Dragão há umas semanas e notou-se exatamente isso. O jogo com o FC Porto podia ter caído para qualquer um. O empate teria sido o resultado mais justo, na opinião de quem é adepto de futebol, como eu.»

 

Sp. Braga só venceu uma vez na Luz, o que fazer com esse peso histórico

Uma candidatura ao título implica lutar de igual para igual com os outros candidatos. Para isso, o Sp. Braga precisa de correr contra a sua história. Uma herança pesada, falando de visitas à Luz. Em toda a história, só por uma vez o Sp. Braga venceu para o campeonato em casa do Benfica. Foi em 1954/55, no Jamor. O Estádio da Luz ainda não existia, seria inaugurado pouco depois.

Somando todas as competições, o Sp. Braga só venceu por uma vez na Luz: há precisamente quatro anos, para a Taça de Portugal. Uma vitória por 2-1 que deixou o Benfica pelo caminho nos oitavos de final da competição. No banco do Sp. Braga estava Sérgio Conceição, que nessa época já tinha ganho ao Benfica de Jorge Jesus para a Liga, em casa.

João Tomás recorda que o melhor resultado que conseguiu enquanto jogador do Sp. Braga na Luz foi um nulo: «Empatei lá 0-0 em 2004.» Mas defende que os jogadores não sentem o peso desse dado histórico: «Não é coisa que pese.»

Esses registos, acrescenta, existem para ser mudados. «Contra factos não há argumentos. Mas a história vai-se escrevendo e tem é que se fazer com que essa história mude. Quer a equipa do Sp. Braga, quer a equipa do Benfica têm noção disso. A história está para se escrever. O que foi não significa que é ou que vai ser. É para isso que se trabalha em qualquer área da sociedade, para fazer melhor. O Sp. Braga tem dado esses passos, tem estado a subir patamares.»

Portanto, se dependesse de si o que faria era usar esse dado como fator de motivação adicional: «Eu invertia os papéis. Dizia: vai ser agora. É certamente com essa mentalidade que o Sp. Braga vai entrar e o Benfica saberá que o Sp. Braga vai para ultrapassar esse registo histórico.»

 

O Sp. Braga venceu todos os jogos que se seguiram à derrota no Dragão: cinco, três para a Liga e dois para a Taça de Portugal. O Benfica também vai numa série de resultados positivos, seis vitórias seguidas  depois de o lugar de Rui Vitória ter chegado a estar em risco. As quatro últimas pela margem mínima e com a equipa a deixar em campo sinais que não são convincentes. «O Benfica vem numa série de vitórias consecutivas. O que se lê e o que se vê é que não tem feito grandes exibições, e eu partilho essa avaliação. Ainda agora em Montalegre para a Taça foi mesmo requisitos mínimos. É certo que mudaram muitos jogadores, era um relvado difícil e também falhou algumas oportunidades, mas é unânime que o Benfica não está a praticar um bom futebol», observa João Tomás, acreditando que as águias têm capacidade para melhorar: «A qualquer momento as coisas podem inverter-se. A equipa tem bons jogadores, tem o treinador que foi bicampeão.»

«Delicio-me a ver Dyego Sousa e Jonas jogar»

Há muitos enredos no Sp. Braga-Benfica e entre eles o duelo entre dois goleadores. De um lado Dyego Sousa, o melhor marcador da época, já com 14 golos esta época, 10 deles na Liga. Do outro Jonas, 130 golos nas quatro épocas e meia que leva do Benfica, melhor marcador em 2015/16 e 2017/18. De regresso à equipa depois de ter começado a temporada a suplente, com oito golos na temporada e cino na Liga.

Muito do jogo ofensivo das duas equipas dependerá deles e João Tomás, ele que marcou 100 golos na Liga e em 2000/01, no Benfica, foi o melhor marcador do campeonato, deixa um olhar especial para eles. 

«Delicio-me a ver os dois jogar. Todos com uma capacidade goleadora notável», começa. «O Jonas está mais atrasado esta época, mas mais tarde ou mais cedo vai encostar lá em cima.»

«Acho que também nesse aspecto será um bom duelo, embora o jogo não seja só isso», observa, analisando as características de cada um dos avançados de Benfica e Sp. Braga: «O grande forte deles, de formas diferentes, é a capacidade de finalização. O Dyego Souza é um jogador de mais duelo, de mais posicionamento para poder finalizar. O Jonas é mais móvel, movimenta-se muitas vezes para aparecer no momento para finalizar. Foi-se também modelando àquela posição, antes era muito mais móvel do que é agora. O Dyego Sousa também é obrigado a trabalhar mais defensivamente.»

 

A rematar, o antigo internacional português deixa só um desabafo. «É pena é nenhum ser português. É sempre a grande lacuna. Até o Wilson Eduardo agora é angolano…»

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Benfica segue para os quartos de final da Taça de Portugal, depois de ter eliminado o Montalegre, num jogo que terminou com uma vitória por 1-0, graças ao golo assinado por Conti, aos 31 minutos. 

"O fundamental era a passagem", disse Rui Vitória, após o triunfo dos encarnados. E foi precisamente isso. O Benfica conseguiu cumprir o seu objetivo, que era seguir em frente na competição, mas voltou a carimbar uma exibição muito abaixo do expectável.

Diante do Montalegre, a única equipa do Campeonato de Portugal na eliminatória, era expetável que a equipa de Rui Vitória dominasse a partida e marcasse, pelo menos, mais do que um golo.

Mas não foi isso que se passou. Não houve brilhantismo, intensidade ou uma ideia concreta de jogo. O golo de Conti, aos 31 minutos, surgiu de um canto batido do lado direito, que terminou com uma cabeçada certeira para o 1-0. 

E se o ponto mais alto do primeiro tempo foi o golo de Conti, a segunda parte chegou a provocar algum sono nas bancadas. O Benfica era previsível e, sempre que chegava perto da baliza adversária, causava muito pouco pânico.

Há ainda que destacar o papel importante de Tiago Guedes. Sempre que foi chamado a intervir, o guarda-redes do Montalegre mostrou-se uma 'muralha', falhando apenas no golo de Conti, com a defesa caseira a falhar na marcação. 

No entanto, apesar da contestação nas bancadas por parte dos adeptos benfiquistas e da margem mínima, o Benfica garantiu um lugar na próxima fase da Prova Rainha.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


A caixa negra do VAR

por João Silva, em 17.12.18

News Benfica.jpg

Mais uma jornada, mais polémica, mais erros a manchar a Liga 2018/19. Numa competição sem a possibilidade de recorrer ao auxílio da tecnologia, um total de 9 erros graves nas primeiras 12 jornadas já seria um exagero. Com o VAR, é simplesmente incompreensível.


Não se pode fazer um balanço apressado à utilização do vídeo-árbitro e admitir 9 erros graves – apenas para tentar serenar as águas e fazer-nos crer que o número de más decisões é aceitável face ao total de lances avaliados. 

Mas pior é que, em nome da transparência, não sejam do conhecimento público quais foram esses erros e em que circunstâncias eles se deram. Tal omissão visa proteger ou esconder o quê?

A generalidade dos observadores independentes do futebol nacional tem sérias dúvidas, aliás, quanto ao número de erros graves que foram reconhecidos. Há razões para acreditar que sejam bastantes mais. Para além disso, seriam 9 até à jornada anterior. Com o que se viu este fim-de-semana, esse número já está aumentado – numa Liga que fica assim ferida na sua verdade desportiva.

O VAR foi um investimento demasiado alto. Há hoje equipas dedicadas à vídeo-arbitragem. Há treino específico. Há formação contínua. Há mais meios do que nunca. Como se explica que este esteja a ser o campeonato com mais erros de que há memória?

Em nome da transparência, é fundamental que se abra a 'caixa negra' do VAR. Quem errou? Onde se errou? Como se errou?

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Liga Europa: Benfica regressa à Turquia

por João Silva, em 17.12.18

liga europa galatasaray.jpg

O Benfica vai defrontar o Galatasaray para os 16 avos-de-final da Liga Europa. O sorteio desta fase a eliminar da competição aconteceu esta segunda-feira de manhã na sede da UEFA, em Nyon, Suíça.

Nesta fase, marcada para 14 e 21 de Fevereiro de 2019, o Benfica já sabe que começa fora e acaba na Luz.

O clube da Luz ao ser terceiro do grupo E da Liga dos Campeões com 7 pontos, foi um dos quatro melhores relegados para a Liga Europa e partiu para este sorteio como cabeça de série.

O Galatasaray terminou em terceiro lugar o grupo D da Liga dos Campeões com quatro pontos. O conjunto de Istambul regressa esta temporada a Portugal. O Benfica já defrontou outra equipa turca, o Fenerbahçe, na terceira pré-eliminatória da Liga dos Campeões.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

A equipa de Rui Vitória somou neste domingo, no Funchal, a sua quinta vitória consecutiva ao derrotar o Marítimo. Cinco triunfos (sete nos últimos oito encontros) em que marcou nove golos e não sofreu nenhum. E, no entanto, as exibições continuam a não convencer ou empolgar.

Perante um adversário que está a atravessar um mau momento - 12 encontros consecutivos sem ganhar - o Benfica demorou a impor-se.

Durante 20 minutos os benfiquistas foram incapazes de se aproximar com perigo da baliza adversária. Com algumas alterações no onze incial que tinha jogado a meio da semana passada para a Liga dos Campeões contra o AEK — entraram Jonas, Fejsa, Zivkovic e Cervi, saindo Seferovic, João Félix, Alfa Semedo e Rafa - o Benfica mostrou-se sem ideias e sempre muito dependente do desinspirado Pizzi. 

Com Zivkovic de um lado e Grimaldo do outro a causarem desequilíbrios, a equipa de Rui Vitória ameaçou um par de vezes a baliza de Amir Abedzadeh. E foi já muito perto do intervalo que, em mais um lance de insistência dos benfiquistas, Jonas foi derrubado pelo guarda-redes maritimista e, na conversão da grande penalidade, marcou o único golo da partida.

Jonas_Maritimo.jpg

No segundo tempo pouco ou nada se passou. O Marítimo, apesar de querer dar a volta ao marcador, deixou sempre bem evidentes as suas limitações e praticamente não criou perigo junto da baliza de Odysseas. Já o Benfica, limitou-se a controlar a partida e o resultado e durante os segundos 45 minutos só por uma vez esteve perto do golo, numa jogada em que Jonas já não teve forças para finalizar.

Com Montalegre (Taça de Portugal) e depois Sporting de Braga (campeonato) no horizonte, o Benfica terá duas boas oportunidades para comprovar as suas melhoras. 

O Homem do Jogo

Jonas mostrou novamente o quão importante é para a equipa do Benfica, ao marcar o golo decisivo, o quinto nos últimos cinco jogos da equipa “encarnada”, numa grande penalidade por ele sofrida. Este foi um dos três remates à baliza do brasileiro (máximo da noite), que deu ainda nas vistas com dois duelos aéreos ofensivos disputados, ambos por ele ganhos. Acabou, no entanto, por desperdiçar uma ocasião flagrante de golo, o que fez com que terminasse a partida com nota 7.1 nos GoalPoint Ratings – ainda assim, a mais alta da noite.

Jogadores em Foco

  • Zivkovic 6.0 – A render Rafa no ataque do Benfica, o sérvio deu nas vistas com dois passes para finalização e três dribles eficazes em cinco tentativas.
  • Grimaldo 5.7 – O espanhol fez dois disparos, ambos enquadrados, e criou duas situações de remate. Falhou 17 passes, seis deles no próprio meio-campo, e perdeu a posse em 22 ocasiões. Ainda assim, contabilizou 99 acções com bola e seis intercepções, ambos máximos da partida.
  • Pizzi 5.0 – Foi o jogador “encarnado” com mais passes para finalização, três, mas teve uma noite para esquecer, errando sete passes curtos, perdendo a posse 23 vezes e sendo desarmado em seis ocasiões.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pág. 1/4



Simbolo
Fundador
114_anos

OBENFICA

MISTICA

twiiter

# Classificação 2018/19








Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

CONTACTO silva.joaodiogo@hotmail.com

Pesquisar

Pesquisar no Blog