Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O Benfica viajou esta sexta-feira à noite até ao estádio Municipal de Aveiro onde, frente ao 16.º classificado Tondela, abriu a 9.ª jornada da Liga NOS… e com números que não deixam contestação, face a uns adeptos incansáveis!

Com duas alterações no onze face à equipa inicial do dérbi, a grande novidade foi a inclusão de Clésio (em estreia absoluta na equipa principal) na lateral, com Eliseu a não ser opção, surgindo Talisca no meio, no lugar de André Almeida.

Numa partida histórica para ambas as formações, uma vez que esta foi a primeira vez que se defrontaram, o SL Benfica entrou praticamente a vencer.

Minuto três! Gaitán cruza na esquerda, com conta, peso e medida, com Jonas, de cabeça, a responder da melhor maneira a mais uma – a 6.ª - assistência do argentino. Estava feito o 0-1.

Tondela_Benfica_1.jpg

 E não foi preciso muito mais para se festejar o segundo golo das “águias”! Corria o 11.º minuto da partida e Marcos Berger, num alívio infeliz, introduz o esférico na própria baliza… sem hipóteses para Matt Jones.

Em cima do apito para o descanso (42’), mais um golo para os “encarnados”, desta feita com o jovem de apenas 18 anos, Gonçalo Guedes, (lançado por Jonas) na cara do guarda-redes Cláudio Ramos (entrou para o lugar do lesionado Matt Jones) a fazer o gosto ao pé (ao ângulo), assinar o seu segundo golo na I Liga e a colocar o SL Benfica a vencer, por 0-3 ao cabo dos primeiros 45 minutos.

Tondela_Benfica_2.jpg

Na segunda metade, com uma vantagem confortável e face aos próximos compromissos, Rui Vitória geriu a equipa.

Saídas de Clésio, devido a fadiga muscular, Gaitán e Jonas... E mais uma estreia a registar! Renato Sanches foi a jogo, aos 75’, com o SL Benfica a mostrar mais uma vez que é na Formação que está o futuro.

A fechar, o quarto golo! Carcela, aos (81’), em jogada individual, flete para a zona central e remata cruzado para o 0-4.

Tondela_Benfica_3.jpg 

Vitória justa, com mérito e qualidade, num desafio que as "águias" tornaram fácil face à postura ambiciosa e concretizadora!

O SL Benfica alinhou de início com Júlio César; Clésio (André Almeida, 63’), Luisão, Jardel e Sílvio; Samaris, Talisca, Gaitán (Carcela, 70’) e Gonçalo Guedes; Jonas (Renato Sanches, 75’) e Raúl.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Sorteio da Taça da Liga 2015/16

por João Silva, em 28.10.15

Taca_Liga_CTT.jpg

O sorteio da terceira fase da Taça da Liga 2015/16 realizou-se nesta quarta-feira ao início da tarde na sede da Liga, já com os clubes chamados «grandes» do futebol português.

Refira-se que, devido a imposições regulamentares, Benfica, FC Porto, Sporting e Sp. Braga (os quatro primeiros classificados da Liga na época passada) só podem cruzar-se a partir das meias-finais, pelo que ficaram colocados em grupos distintos.

As regras estipulam também que o vencedor do grupo A recebe em casa o vencedor do grupo C. Já o vencedor do Grupo B, recebe o vencedor do grupo D. Ora, em caso de apuramento dos quatro «cabeças de série», o FC Porto e Benfica jogam as meias-finais em casa e recebem Sporting e Sp. Braga, respetivamente.


Este é o alinhamento dos grupos:
 

GRUPO A FC Porto Marítimo Feirense Famalicão
GRUPO B Benfica Nacional Moreirense Oriental
GRUPO C Sporting Paços Ferreira Arouca Portimonense
GRUPO D Sp. Braga Belenenses Rio Ave Leixões



JORNADAS (E DATAS)

1.ª jornada (29 e 30 de dezembro)
FC Porto-Marítimo
Famalicão-Feirense
Benfica-Nacional
Oriental-Moreirense
Sporting-Paços Ferreira
Portimonense-Arouca
Sp. Braga-Belenenses
Leixões-Rio Ave

2.ª jornada (19, 20 e 21 de janeiro)
Famalicão-FC Porto
Feirense-Marítimo
Oriental-Benfica
Moreirense-Nacional
Portimonense-Sporting
Arouca-Paços Ferreira
Leixões-Sp. Braga
Rio Ave-Belenenses

3.ª jornada (26, 27 e 28 de janeiro)
Feirense-FC Porto
Marítimo-Famalicão
Moreirense-Benfica
Nacional-Oriental
Arouca-Sporting
Paços-Portimonense
Rio Ave-Sp. Braga
Belenenses-Leixões

Autoria e outros dados (tags, etc)

Entrada forte do Benfica com ascendente até aos dez minutos iniciais, mas a partir daí tudo mudou, pois Teo Gutierrez marca o primeiro golo (com alguma sorte à mistura – Júlio César defendeu contra os pés do colombiano) e coloca os “leões” em vantagem.

A perder, o Benfica tentou reagir mas a única coisa que conseguiu foi uns tímidos ataques que não deram em nada, pois a defesa do Sporting resolvia com facilidade todas as iniciativas dos “encarnados”.

Benfica_sporting_1.jpg

Aos 20 minutos, nova iniciativa de ataque do Sporting e novo golo, desta vez por intermédio de Islam Slimani, que cabeceou para o fundo das redes, depois de um cruzamento de Jefferson.

Com o segundo golo leonino, o Benfica ficou muito nervoso e começou a perder muitas bolas no meio-campo, situação que o Sporting aproveitava para lançar “venenosos” contra-ataques.

Aos 36 minutos, o Sporting materializava o seu grande ascendente com o 3º golo, apontado por Bryan Ruiz.

Pouco depois, o árbitro Carlos Xistra apitou para o intervalo.

Na segunda parte, o Benfica tentou dar a volta aos acontecimentos, com a entrada de Fejsa para o lugar de Eliseu, mas a estratégia não deu resultado, pois o sérvio viu o cartão amarelo logo aos 46 minutos e um quarto-de-hora depois já estava a pedir a substituição devido a um problema muscular.

Entrou Pizzi para o lugar de Fejsa, mas nada melhorou, já que o Benfica continuava com dificuldades em chegar ao último reduto leonino, e o Sporting defendia bem a larga vantagem.

Benfica_sporting_2.jpg

Um dos últimos lances (atraso de Luisão para a sua própria baliza, que estava deserta, obrigando Júlio César a um sprint vigoroso) mostrou bem aquilo que foi o derby durante os 90 minutos: um Benfica nervoso e a cometer muitos erros, perante um Sporting calmo e muito eficaz.

Nos últimos 10 minutos, Nico Gaitán e Mitroglou caíram dentro da grande área, mas o árbitro mandou seguir com o lance em ambas as situações, pois na primeira considerou “carga de ombro” de João Pereira e na segunda entendeu que o grego simulou a queda e por isso viu cartão amarelo.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Jorge Jesus.gif

O regresso do treinador Jorge Jesus ao Estádio da Luz, por um dia e ao comando dos eternos rivais, domina o ambiente em vésperas de mais um Benfica-Sporting para a I Liga de futebol, no domingo.

Mais do que o momento atual dos dois plantéis, este ano é decididamente o que se passa à margem do jogo no relvado que domina as atenções - não só o regresso do carismático técnico do último bicampeonato dos 'encarnados', como também as polémicas e ameaças de processo, como as caixas com ofertas aos árbitros na Luz e a alegada apropriação de 'software' confidencial.

Pelo processo que o Benfica lhe pretende mover, a pedir 14 milhões de euros de indemnização, e pela transferência 'proibida' para o Sporting no último verão, entendida como 'traição', Jorge Jesus tem todos os focos concentrados nele, até porque as coisas não lhe estão a correr totalmente bem no novo clube, em termos de resultados europeus.

Após seis anos aos comandos dos Benfica, coroados com três títulos nacionais no total, Jorge Jesus saiu em clara crispação com a estrutura do que chamou de 'a sua casa' e acabou por assumir um 'amor de juventude' com o Sporting, que levou logo ao sucesso na Supertaça.

Só isso bastava para inflamar os ânimos neste primeiro jogo na Luz depois da transferência e acentuar o 'alto risco' do embate. Não é decididamente nada certo que os adeptos do Benfica o recebam minimamente bem e isso pode ser o rastilho para problemas no campo e fora do estádio.

Os dirigentes de Benfica e Sporting também não ajudaram nas últimas semanas a um clima de paz entre os dois emblemas e os dias têm sido férteis em ataques e picardias, de variados quadrantes.

Destaque para a intenção do Benfica em levar o antigo treinador à barra - já deu entrada um pedido no Tribunal do Barreiro - e exigir-lhe uma indemnização de 14 milhões de euros pelos contactos mantidos com um funcionário do Sporting ainda durante a vigência do anterior contrato e pela apropriação de 'software' confidencial do clube. 

Quanto ao Sporting, desencadeou a polémica das ofertas de jantares a árbitros na Luz e no Seixal, na já famosa caixa com a imagem de Eusébio e a que Bruno de Carvalho, o líder do Sporting, chamou de 'caixas douradas', por analogia com a investigação que ficou conhecida por 'apito dourado'.

Para acicatar os ânimos, o Sporting chega à oitava jornada da I Liga de futebol à frente do rival, o que não tem sido frequente nos últimos anos. Com 17 pontos, os 'leões' estão igualados com o FC Porto e têm mais cinco pontos do que as 'águias', que, no entanto, têm um jogo a menos (com o União da Madeira, no Funchal).

Melhor, está o Benfica, na Europa, batendo-se bem pela qualificação no seu grupo da Liga dos Campeões, enquanto o Sporting falhou o acesso à 'Champions' e está mesmo com dificuldades inesperadas na Liga Europa.

Ambos jogaram esta semana, o Benfica na quarta-feira em Istambul, com o Galatasaray, e o Sporting na quinta-feira, em casa, contra o Skenderbeu, da Albânia, com muito mais desgaste para o campeão nacional.

Em teoria, o Benfica teve mais um dia para descansar, mas teve de colocar o 'prego a fundo' na Turquia, onde acabaria por perder por 2-1, e desgastou-se com a sempre cansativa viagem longa.

Já o Sporting, não só não teve de deslocar-se ao estrangeiro esta semana, como se deu ao luxo de jogar com os albaneses com uma equipa B, suficiente no entanto para uma clara vitória por 5-1, sempre moralizadora.

O Benfica, agora com Rui Vitória, tem mostrado resiliência, ostentando o melhor ataque do campeonato e registando um muito interessante triunfo em Madrid, sobre o Atlético. E pode sempre contar com o tradicional 'inferno' da Luz, o apoio intenso dos adeptos.

Nélson Semedo, titular no início da época, está lesionado e é a principal 'baixa' do lado do Benfica, que no entanto conta já com Sílvio como opção. Do lado do Sporting, a mais mediática das 'baixas' é o criativo peruano Carrillo, que continua a não ser opção para Jesus, enquanto durar o 'braço de ferro' em redor da renovação de contrato.

O encontro entre Benfica e Sporting, da oitava jornada da I Liga portuguesa de futebol, está marcado para domingo, pelas 17:00, no Estádio da Luz, em Lisboa, com arbitragem de Carlos Xistra (Castelo Branco).

Fonte: Lusa/SOL

Autoria e outros dados (tags, etc)


Liga dos Campeões: Galatasaray 2-1 SL Benfica

por João Silva, em 22.10.15

Com seis pontos, fruto da vitória caseira frente ao Astana e da posterior vitória no Vicente Calderón, frente ao Atlético de Madrid, o Benfica entrou em campo na liderança do Grupo C com o objetivo de assegurar o mais rapidamente possível um lugar nos oitavos-de-final da prova.

E o inicio do jogo não poderia ser melhor, falta dura sobre Jonas, marcação de livre e Gaitán surge isolado na cara do guardião turco a colocar, com muita classe e qualidade técnica. 

Galatasaray_Benfica_1.jpg

Mas a vantagem durou pouco! Aos 18’, grande penalidade, com André Almeida a desviar a bola com a mão na pequena área.

Na conversão, Selçuk Ínan, rematou de forma irrepreensível e sem hipótese para a igualdade a uma bola.

A reviravolta no marcador chegaria aos 33’, através de Lukas Podolski, com o alemão a surgir nas costas da defesa benfiquista e a atirar sem hipótese entre as pernas de Júlio César.

Ao intervalo, 2-1 favorável aos turcos, depois de uns primeiros 45’ “apagados” da equipa de Rui Vitória que, depois de estar em vantagem, mostrou algumas dificuldades em encontrar-se e construir.

Galatasaray_Benfica_3.jpg

O descanso fez bem ao grupo e os “encarnados” surgiram com uma postura mais intensa e dinâmica.

O jogo espevitou e as oportunidades de golo começaram a surgir nas duas balizas, com Jonas, Gaitán e Raúl em evidência nas hostes benfiquistas, enquanto à guarda das redes do Glorioso estava um Júlio César enorme e a negar tudo o que havia para negar!

Apesar da muita vontade, o resultado não se alterava e Rui Vitória tirou Eliseu, Gonçalo Guedes e Sílivio, colocando em campo Pizzi, Victor Andrade e Mitroglou alterando o xadrez tático da equipa, no tudo por tudo em Istambul.

O Benfica arriscou, manteve-se por cima do jogo, lutou até ao fim, mas o resultado não mais se alterou, vingando a tradição de as “águias” nunca conseguirem vencer na Turquia. 

O SL Benfica alinhou de início com Júlio César; Sílvio (Mitroglou, 81’), Luisão, Jardel e Eliseu (Pizzi, 66’); Samaris, André Almeida, Gaitán e Gonçalo Guedes (Victor Andrade, 75’); Jonas e Raúl.

Galatasaray_Benfica_2.jpg

Na outra partida do Grupo C, no Vicente Calderón, o Atlético de Madrid venceu o FC Astana (4-0). Com estes resultados, o SL Benfica mantém-se na liderança, em ex-áqueo com os “colchoneros” (seis pontos), seguidos de Galatasaray (4 pontos) e FC Astana (um ponto).

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Taça de Portugal: Vianense 1-2 SL Benfica

por João Silva, em 17.10.15

O Benfica venceu o Vianense na 3.ª eliminatória da Taça de Portugal. Carcela estreou-se a marcar e Jardel resolveu.

Ao contrário do Vianense – que entrou com todos os jogadores operacionais –, o Benfica chegou ao estádio Cidade de Barcelos com quatro baixas por lesão: Jonas, Ederson, Nélson Semedo e Salvio.  

Primeiros 45 minutos com um ritmo baixo, apesar da ameaça de Talisca logo aos 12 segundos de jogo. Servido por Fejsa, o brasileiro surgiu na cara de Jonas mas o guarda-redes do Vianense impediu o primeiro da noite.

Aos 37’ grande golo de Carcela! Lançamento lateral de Sílvio, com a bola a sobrar para o marroquino que rematou de primeira e fez a sua estreia a marcar de “águia ao peito”.

Vianense_Benfica_1.jpg

O empate chegou quando faltava pouco menos de 15 minutos para terminar o encontro (78’). Coulibaly, na passada e de fora da área, rematou colocado para o 1-1 sem qualquer hipótese para Júlio César.

Quando já todos esperavam que o encontro fosse a prolongamento, o Benfica ganhou novamente vantagem. No último minuto (89’) Jardel cabeceou, após canto de Pizzi, para o 1-2. Contas fechadas e garantida a passagem à próxima eliminatória da Taça da Portugal.

Vianense_Benfica_2.jpg

Rui Vitória fez alinhar o seguinte onze inicial: Júlio César; Silvio, Luisão, Jardel, Eliseu (55’ Victor Andrade); Fejsa, Pizzi, Carcela (92’ João Teixeira); Nuno Santos, Talisca (67’ Raúl), Mitroglou.

Rumo ao Jamor!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pág. 1/2



Simbolo
Fundador
114_anos

OBENFICA

MISTICA

twiiter

# Classificação 2017/18








Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D


CONTACTO emailsilva.joaodiogo@hotmail.com