Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




SL Benfica 0 - Barcelona 2

por João Silva, em 03.10.12

O Barcelona é como o menino do recreio que comprou a bola e teima em não a partilhar com os outros. Para jogar há que roubá-la e brincar enquanto ele não exige a devolução. Jorge Jesus prometera um Benfica sem medos e a equipa respondeu ao pedido.

 

Durante seis minutos os encarnados estiveram concentrados e foram competentes. Criaram perigo, com dois remates de Bruno César – Valdés defendeu um com as pernas, Busquets barrou o outro. Mas a barreira caiu à primeira amostra de futebol do Barcelona.

Foi Messi, no jeito de pulga que não faz mal a ninguém, a preparar o momento. Tabelou com Jordi Alba, fugiu à defesa do Benfica e cruzou rasteiro. Artur ainda tentou chegar à bola, mas o único a tocar-lhe foi Alexis Sánchez, que teve a tarefa mais simples da jogada. O Barça marcava pela primeira vez no Estádio da Luz, depois dos 0-0 de 1991 e 2006.

 

Defrontar o Barcelona é um dos maiores desafios do futebol moderno – pela forma como a equipa catalã domina a posse de bola, controla o ritmo, tira o alimento ao adversário. Sobretudo quando está em vantagem. Jesus reconhecera-o na véspera: um treinador que promete dividir o jogo com o Barça está a mentir. Por isso o Benfica assumiu a sua condição e apareceu com duas linhas bem desenhadas: Maxi, Jardel, Garay e Melgarejo mais atrás; Salvio, Enzo Pérez, Matic, Bruno César e Gaitán logo a seguir.

 

A ideia assentava no princípio de que um empate já não seria nada mau. Os problemas começaram quando foi preciso ir à procura dos golos. A reacção imediata ao 1-0 até nem foi negativa. Gaitán desmarcou Salvio (9’) e depois Lima (11’). O avançado brasileiro apareceu à frente de Valdés, mas a mancha do guarda-redes resolveu o assunto.

O Barcelona olhava mais para a esquerda do que para a direita. Parecia uma opção estranha, sabendo-se que Melgarejo tem menos alma para defender que Maxi Pereira. Mas a aposta ia fazendo sentido. Alexis perseguia o uruguaio como uma carraça. Roubava-lhe o fôlego, por vezes também a bola. E a atacar era uma dor de cabeça, ainda mais quando Jordi Alba aparecia para redobrar o poder ofensivo.

 

 

O jogo transformava-se num exercício de paciência – para o Barça enquanto não se abria uma brecha por onde passar, para o Benfica até ser capaz de recuperar a bola. Xavi estava mais escondido que Fàbregas, mas volta e meia tirava um passe certeiro do bolso. A genica do meio-campo catalão obrigava Bruno César a um trabalho que não lhe agrada, a um esforço ao qual não está habituado. Estranhava um lugar mais ao jeito de Aimar ou Carlos Martins.

Pedia-se mais ao Benfica, mais do que correr de um lado para o outro como um conjunto de marionetas nas mãos do Barcelona. Enquanto as energias duraram, os momentos de libertação iam aparecendo. Gaitán mexeu-se bem pela esquerda (54’) e cruzou largo, só que Lima não chegou a tempo e Jordi Alba corrigiu a saída em falso de Valdés. Quando Salvio disparou para uma grande defesa do guarda-redes (57’) já o Benfica perdia 2-0.

 

 

Messi estava sossegado há demasiado tempo. Decidiu acelerar e foi à sua vida, com aquele ar intocável de quem sabe o que faz e não se preocupa com o resto. Para trás ficaram quatro jogadores do Benfica. O argentino viu Fàbregas aparecer pela esquerda, serviu a segunda assistência da noite e assistiu ao remate que deu o 2-0.

O jogo estava resolvido. O Benfica já não tinha energia para marcar um, quanto mais dois golos. E a impaciência vinha ao de cima, quer nas bancadas (onde os adeptos protestavam a cada falta sobre jogadores do Barcelona), quer no relvado (onde Carlos Martins, entrado ao intervalo, era o mais irritado). Os assobios e os gritos de revolta só pararam quando Puyol saltou na área do Benfica e caiu desamparado em cima do braço. O capitão saiu de maca, agarrado à cara, debaixo de aplausos. Tito Vilanova fez-lhe uma festa na cabeça e voltou os olhos de novo para o campo.

 

 

Era lá que continuava o espectáculo de Messi, apenas interrompido pelo vermelho a Busquets (agressão). Jardel, por exemplo, fartou-se de ficar a ver e bateu--lhe por trás. Pulga cai, pulga levanta-se. O árbitro apitou para o fim do jogo e Messi foi à procura de Aimar, o ídolo de juventude. Abraçaram-se, trocaram de camisola e celebraram o futebol. Messi não marcou – pelo terceiro jogo seguido – mas voltou a ser o menino da bola no recreio. I

 

Por último, grande ambiente na Catedral. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Simbolo
Fundador
115-anos
Reconquista-37

OBENFICA

MISTICA

twiiter

# Classificação 2019/20








Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

CONTACTO silva.joaodiogo@hotmail.com

Pesquisar

Pesquisar no Blog