Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


O Benfica venceu o Estoril, por 4-0, no Estádio da Luz, e entrou desta forma a ganhar na Liga. Foi o primeiro triunfo deste arranque de temporada sob a orientação de Rui Vitória e o início perfeito para o sonho encarnado do ‘tri’. Os golos de Mitroglou, Jonas (2) e do jovem Nélson Semedo ditaram uma vitória que apenas se escreveu nos últimos 20 minutos.

Benfica_Estoril_1.jpg

Com os regressos de Luisão, Eliseu e Pizzi ao onze e a estreia de Mitroglou, o Benfica acusou a surpresa de enfrentar uma boa entrada do Estoril. A formação comandada por Fabiano Soares entrou desinibida e nos primeiros minutos dominou mesmo a partida, empurrando o jogo para junto da baliza de Júlio César. 

Por sua vez, um Benfica desconexo e sem ligação entre os sectores pouco conseguia fazer para travar a boa atuação estorilista na Luz. Foi preciso esperar quase 15 minutos para os bicampeões se começarem a soltar, mas sempre num voo baixinho e sem grande espectáculo. Aos 25', Mitroglou começou a dar nas vistas, colocando a bola na baliza de Kieszek, mas o lance foi anulado por fora de jogo do grego. O melhor momento dos encarnados sucedeu aos 40’, quando Luisão quase fez golo, ao atirar à trave depois de uma assistência de Gaitán.

Benfica_Estoril_2.jpg

No entanto, a melhor ocasião do primeiro tempo pertenceu mesmo ao Estoril, quando Léo Bonatini surgiu já em pleno período de descontos isolado perante Júlio César. O guardião brasileiro fez uma mancha perfeita e negou o golo, segurando assim o 0-0 ao intervalo.

A façanha conseguida por Júlio César teria direito a repetição logo no segundo minuto da segunda parte, com uma defesa por instinto a remate de Sebá. O Benfica mostrava grandes dificuldades para construir o seu jogo ofensivo e consentia igualmente algumas investidas de um Estoril cheio de personalidade. Foi então que Rui Vitória sentiu a necessidade de agitar o jogo e lançou aos 61' os brasileiros Talisca e Victor Andrade, com este último a fazer a sua estreia oficial pelo clube da Luz. E foi uma primeira impressão positiva, com o jovem a ocupar o lugar de Ola John e a corresponder bem.

Benfica_Estoril_3.jpg

Rui Vitória prometera na véspera que a equipa encarnada ia entrar nos eixos, depois de uma má pré-época. Só não tinha avisado que seria preciso esperar 74 minutos para ver o clube da Luz a finalmente acertar o rumo. Depois de duas ocasiões clamorosas desperdiçadas, o estreante Mitroglou fez de cabeça o 1-0 e deixou a Luz respirar de alívio, na sequência de um cruzamento de Gaitán. Estava feito o mais difícil, como se veria nos minutos seguintes.

Com efeito, no espaço de 15 minutos o Benfica acabaria por construir uma goleada. Jonas elevou para 2-0 quatro minutos depois, na conversão de uma grande penalidade por mão de Mattheus na área. Logo de seguida, aos 81', Jonas mostrou novamente pontaria afinada e finalizou de cabeça um bom passe de Victor Andrade. Por fim, aos 89', o jovem Nélson Semedo, um dos melhores na noite encarnada, colocou um ponto final no resultado, após uma excelente assistência de Gaitán.

Benfica_Estoril_4.jpg

O 4-0 final esconde as dificuldades sentidas pelo Benfica na finalização e na construção do jogo ofensivo, mas não deixa de ser inequivocamente justa. O bicampeão nacional conquistou os primeiros três pontos, que permitiu assim apanhar os rivais FC Porto e Sporting no topo da Liga.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


SL Benfica 4-1 Maritimo

por João Silva, em 23.05.15

Foi sob o signo do 34 que os jogadores do Sport Lisboa e Benfica e do Marítimo subiram ao tapete verde da Luz para encerrar a edição 2014/15 da Liga NOS. Nas bancadas, as 60.532 pessoas abriram os braços ao Bicampeão – qual abraço a celebrar o Dia do Abraço que teve lugar no dia 22 de maio – transmitiram, com o cântico “O Campeão Voltou!” todo o calor da nação Benfiquista.

Pintados a rigor como se pede em dia de festa, os jogadores da “águia” entraram com um Futebol fluído e os primeiros festejos deram-se logo aos cinco minutos. Eliseu lançou a bola da linha lateral, na área a bola sobrou para Lima que redopiou sobre si mesmo e atirou para o 1-0.

Os adeptos apoiavam ruidosa e incessantemente e a equipa correspondia com “nota artística”. À passagem do minuto 12, um livre de laboratório de Gaitán encontrou Jardel ao segundo poste. O defesa brasileiro assistiu o conterrâneo, Lima, mas Rúben Ferreira opôs-se.

Havia espetáculo na Luz e nas duas balizas com Júlio César a evitar por duas vezes o golo madeirense. Aos 15 minutos, Alex Soares, só na área atira a contar e no minuto seguinte foi Marega e testar a atenção do brasileiro.

O jogo entrou depois numa toada mais morna, com o “frisson” a andar distante de ambas as balizas até que aos 31 minutos, Marega empatou a partida. O golo fez crescer o Marítimo, com Danilo, através de um potente remate, a assustar Júlio César aos 35 minutos.

Parecia que o Bicampeão tinha sentido o golo, mas nada mais errado. Quando o relógio assinalava os 42 minutos, Salvio descobriu Lima que endossou para Jonas que, em cima da linha de golo, empurrou para o 2-1. Ainda se festejava na Luz e já Marega obrigava Júlio César a mais uma vistosa intervenção (43’).

A etapa complementar começou com mais Benfica. Aos 48 minutos, Salvio, do lado direito, descobriu a cabeça de Jonas na área, mas o esférico morreu nas mãos de Wellington. Poucos minutos depois, Jonas inventou uma jogada de génio, deixou uma série de adversários para trás e isolado frente a Wellington atirou cruzado a centímetros do poste. Seria um golão!

Seguiram-se três minutos de luxo na Luz. Aos 57’, Lima dispara forte um tudo-nada ao lado da baliza insular. À passagem do minuto 59, Talisca rematou forte para defesa de Wellington e na sequência da jogada, Maxi Pereira assistiu Lima para o 3-1. Ficaram dúvidas acerca da posição do defesa direito uruguaio.

Jonas poderia ter ficado a um golo de se tornar o melhor marcador do Campeonato, quando aos 67’, Gaitán assistiu o avançado, mas o árbitro assistente, Luís Ramos, com um erro gritante, anulou o tento limpo ao Benfica.

Parecia que Deus escrevia direito por linhas tortas quando Sílvio assistiu Jonas para o 4-1 aos 82’, mas o avançado já não foi a tempo de fazer o golo que lhe faltava para ser o melhor marcador. Sete minutos depois, Júlio César ainda voltou a negar a sorte a Marega.

O Bicampeão Nacional fecha a Liga NOS com 86 golos em 34 jogos, e 85 pontos, fruto de 27 vitórias, quatro empates e três desaires.

O SL Benfica alinhou com Júlio César; Maxi Pereira; Luisão, Jardel, Eliseu (Sílvio, 60’); Samaris, Pizzi (Talisca, 45’), Salvio (Mukhtar, 74’), Gaitán; Jonas e Lima.

Fonte: SLBenfica.pt

Benfica_Campeão_2014-2015.jpg

 PARABÉNS BICAMPEÕES NACIONAIS!

Autoria e outros dados (tags, etc)


Benfica é Bicampeão Nacional

por João Silva, em 18.05.15

O Benfica viajou até à Cidade Berço, onde defrontou a formação do Vitória de Guimarães numa partida relativa à 33.ª jornada da I Liga.

Com duas rondas por disputar até à final da competição, o Glorioso entrou em campo a precisar de três pontos – ou fazer o mesmo resultado que o 2.º classificado, FC Porto, no Restelo - para atingir o grande objetivo da temporada, a conquista do Bicampeonato Nacional, algo que fugia ao Clube desde a temporada de 1983/84.

O sonho estava bem vivo, a “maré vermelha” respondeu mais uma vez à chamada e inundou a cidade onde nasceu Portugal e que, fruto de uma grande exibição da equipa comandada por Jorge Jesus – com nota técnica e artística – viu renascer o Bicampeão!

E no Estádio D. Afonso Henriques foi um Benfica também ele com o cognome de conquistador aquele que entrou em campo… poderoso, fulgurante e ambicioso!

Aos três minutos duas claras oportunidades de golo! Lima cruzou, na pequena área, Jonas, de cabeça, atirou à barra; no lance seguinte, Lima surgiu isolado na cara de Douglas, depois de assistência sublime de calcanhar de Jonas, mas o chapéu saiu com aba larga… ligeiramente por cima da trave.

Aos 6’ gritou-se golo nas bancadas, depois de Salvio atirar para o fundo das redes vimaranenses, mas Artur Soares Dias anula – mal! – o lance.

O Benfica não tirava o pé do acelerador e ainda antes da meia hora mais dois lances de golo! Primeiro, aos 9’, Jonas; depois, aos 12’, é Maxi Pereira quem vê o poste beijar a bola e devolvê-la!

Só dava Benfica e somente aos 28’, grande intervenção de Júlio César perante a aproximação de Sammy, depois de cruzamento perigoso de Ricardo Valente.

A partir daqui o jogo abriu ainda mais, a intensidade subiu e assistiu-se a um grande espetáculo de Futebol onde só faltavam os golos…

Obrigada, querido Benfica!

Na segunda metade o ritmo decaiu, a intensidade idem, logo, foi o espetáculo quem sofreu com isso, com as oportunidades a escassearem e o jogo a tornar-se mais mastigado.

Aos 53’, nova oportunidade para os “encarnados”, com Gaitán a cruzar para cabeceamento perigoso de Maxi. Douglas, no lugar certo, respondeu bem.

O Benfica continuava a procurar o golo, mas faltava algum discernimento na hora H, e começava a sentir-se alguma ansiedade em resolver, com o coração a sobrepor-se à razão!

Até ao final da partida não houve golos, mas com o empate do FC Porto a uma bola no Restelo, frente ao Belenenses, o Sport Lisboa e Benfica sagrou-se Bicampeão Nacional.

 

O SL Benfica alinhou de início com Júlio César; Maxi Pereira, Luisão, Jardel, Eliseu; Fejsa (André Almeida, 82’), Pizzi (Talisca, 67’), Salvio, Nico Gaitán; Lima e Jonas (Derley, 86’).

No próximo fim de semana disputa-se a 34.ª e última jornada da I Liga. O Sport Lisboa e Benfica fecha as contas do Campeonato Nacional no Estádio da Luz, frente à formação do Marítimo, no jogo de consagração do Bicampeão!

Autoria e outros dados (tags, etc)


Gil Vicente 0-5 SL Benfica

por João Silva, em 03.05.15

Com toda a tranquilidade, o Benfica foi a Barcelos arrancar um triunfo inequívoco, dando um passo de gigante rumo ao 34º título. Vencendo dois jogos dos últimos três que faltam, o Benfica tem o bicampeonato garantido, o que não consegue desde a longínqua temporada de 1983-84.

Jonas.jpg

Jesus surpreendeu ao estrear nesta temporada Sulejmani na equipa titular, mas a surpreendente aposta acabou por revelar-se acertada. O extremo teve um papel decisivo no primeiro golo, ao fazer uma sublime assistência para Maxi, que finalizou uma das melhores jogadas do campeonato.

Sulejmani.jpg

O Benfica começou bem o jogo, resolvendo o problema nos primeiros 22 minutos, período onde Maxi e Jonas deram dois golos de vantagem à equipa de Jorge Jesus. Na segunda parte, 33 segundos após o recomeço do jogo, na sequência de um canto, Luisão ganhou nas alturas e fez o 3-0. As poucas dúvidas que podiam existir no descanso sobre o nome do vencedor ficaram desfeitas. Aos 59’, Lima eleva para quatro, fazendo o 7.º golo em 5 jogos disputados na casa do Gil Vicente. A contagem ficou fechada com um bis de Maxi na partida, um feito que até ao momento nunca tinha sido alcançado pelo jogador.

Maxi_Pereira.jpg

O único aspecto negativo desta partida foi a lesão muscular de Gaitán, que teve que sair agarrado à coxa, cedendo o seu lugar a Fejsa.

Faltam 3 jornadas para o fim do campeonato, o Benfica precisa apenas de conquistar 6 pontos (caso o fcp ganhe todos os jogos) para alcançar o tão desejado bicampeonato, nada está ganho é certo, mas a equipa de Jorge jesus tem tudo para ser feliz.

Plantel_Benfica.jpg

O Benfica alinhou com o seguinte onze inicial: Júlio César; Maxi Pereira, Luisão, Jardel e Eliseu; Sulejmani (74’ Talisca), Samaris (76’ Ruben Amorim), Pizzi e Gaitán (42’ Fejsa); Jonas e Lima.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


SL Benfica 0-0 FC Porto

por João Silva, em 27.04.15

Estádio da Luz completamente lotado,  momentos arrepiantes, com as bancadas da Luz a executarem uma mega coreografia única em Portugal, com o apoio de 63 534 mil adeptos.

Separados por apenas três pontos, os dois primeiros classificados entraram em campo cientes da responsabilidade e da importância deste jogo. Algumas caras novas, estratégias muito específicas, mas o mesmo ADN e a mesma ideia de jogo.

No primeiro tempo, houve pouco futebol e muita disputa de bola. Quase sem remates, acabou por ser Jackson Martínez a estar mais perto de inaugurar o marcador.

No segundo tempo, ambas equipas criaram mais perigo e fizeram vibrar, por várias vezes as bancadas da Luz, mas o golo acabou por não surgir naquele que prometia ser o jogo do ano.

Com este resultado, o Benfica mantém os três pontos de vantagem sobre o rival, porém, com vantagem no confronto direto com os dragões, isto quando faltam agora quatro Finais até ao fim do campeonato.

O Sport Lisboa de Benfica alinhou de início com Júlio César, Eliseu, Luisão, Jardel e Maxi Pereira; Samaris, Pizzi (André Almeida, 81’), Talisca (Fejsa, 63’) e Gaitán; Lima e Jonas (90+2', Ola John).

Segue-se a deslocação a Barcelos, onde caso o Benfica vença a partida - como espero e acredito - dá um passo de gigante para a conquista do bicampeonato.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Num "mini-Estadio da Luz" no Restelo, Jonas confirmou a tão importante vitória do Benfica com a marcação de dois golos.

Desta forma, o Benfica mantém a vantagem de três pontos para o segundo classificado, o FC Porto, antes do clássico do próximo fim de semana.

Jorge Jesus analisou a exibição da equipa no final do jogo frente ao Belenenses.

Neste jogo, em termos ofensivos, fomos eficazes a 100 por cento, fomos pragmáticos e jogámos com o resultado. O relvado estava muito duro. Defensivamente estivemos sempre bem, com exceção ao último lance do desafio. Não criámos muitas oportunidades mas quando conseguimos, marcámos”, realçou.

A ala direita do Benfica foi diferente do habitual. Maxi Pereira estava castigado e a ausência de Salvio acabou por ser a surpresa. O técnico explicou porquê… “Não tivemos Salvio e Maxi Pereira. O Salvio, no treino, fez uma lesão muscular e ainda nem sabemos se vai jogar com o FC Porto”, revelou.

O próximo embate é o clássico na Luz, mas Jorge Jesus sublinhou que só pensa num jogo de cada vez. “Estamos em primeiro, mas o que importava era ganhar o Belenenses e por isso não poupei a pensar nos cartões amarelos. Fazemos as contas jogo a jogo”, finalizou.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Arouca 1-3 SL Benfica

por João Silva, em 08.03.15

Reviravolta à Campeão!

Arouca_Benfica_1.jpg

O Benfica venceu o Arouca, por 1-3, depois de ter estado a perder por 1-0 ao intervalo. No segundo tempo, conseguiu a reviravolta que permite manter-se na liderança da Liga NOS, com quatro pontos de vantagem sobre o segundo classificado, o FC Porto.

O Municipal de Arouca vestiu-se de vermelho para assistir à 24.ª jornada da Liga NOS. Para receber o líder, houve ainda direito a uma bancada amovível com capacidade para dois mil espectadores.

Benfiquistas em Arouca.jpg

Um arranque inesperado que surpreendeu tudo e todos. Aos 7’, após cruzamento de Nelsinho, Iuri Medeiros fez o primeiro golo da tarde, sem hipótese de defesa para Júlio César – ele que foi a grande novidade do onze “encarnado”, tendo regressado à baliza depois da lesão frente ao Boavista.

Julio_César_em_Arouca.jpg

Os Campeões Nacionais tentaram responder e as oportunidades foram-se repetindo. Primeiro Pizzi (13’), à entrada da área, com Goicoechea a afastar para canto. Seguiu-se Salvio, aos 19’, a rematar para mais uma enorme defesa do guardião arouquense. E nem à terceira foi de vez. Novamente o argentino a tentar a sorte, aos 30’, com um remate à trave. A formação liderada por Jorge Jesus chegou, assim, ao intervalo, em desvantagem no marcador.

No segundo tempo, continuavam a ouvir-se os cânticos nas bancadas, palavras de incentivo que empurraram as “águias” para a reviravolta. Jonas, aos 51’, repôs a igualdade, com um remate de fora da área.

Jonas_Arouca.jpg

Aos 56’ foi a vez de outro brasileiro. Após um remate de Jonas, com a bola a ir ao segundo poste, Lima empurrou para a baliza de Goicoechea. Estava feito o 1-2.

Aos 58’, após lance de Jonas, fica a ideia de que Ivan jogou com o braço na área, mas Vasco Santos mandou seguir…

Hugo Basto viu, aos 64', cartão vermelho após agarrar ostensivamente Lima que se esgueirava para a baliza.

E se dúvidas houvesse, Lima acabou com elas. Aos 77’, o avançado brasileiro, após grande passe de Ola John, - que tinha entrado há minutos pra o lugar de Gaitán – bisou na partida e somou o 12.º golo na Liga portuguesa.

Lima_Arouca.jpg

Com este resultado, o líder SL Benfica conserva os quatro pontos de vantagem para o segundo classificado, o FC Porto.

No próximo sábado, 14 de março, o SL Benfica recebe na Luz o SC Braga na 25.ª jornada da Liga NOS. A partida está marcada para as 17h00.

Jorge Jesus fez alinhar o seguinte onze: Júlio César; Maxi, Luisão, Jardel, Eliseu; Salvio (80’ Ruben Amorim), Samaris (45’ Talisca), Pizzi, Gaitán (72’ Ola John); Lima e Jonas.

Fonte: SLBenfica.pt

Autoria e outros dados (tags, etc)

salvio benfica.jpg

Em 2013-14, a 11 jornadas do fim, os dois candidatos ao título também estavam separados por quatro pontos, mas ambos somam mais pontos agora do que na temporada anterior.

O Benfica tem um saldo mais favorável do que há um ano. Mantém a vantagem de quatro pontos sobre o rival mas amealhou mais um ponto no total da prova (59 contra 58), com mais vitórias (19 contra 18), mais golos marcados (57 contra 44) e menos sofridos (10 contra 15).

A solidez defensiva tem sido uma das grandes armas do Benfica ao longo da época. Esta é mesmo, a esse respeito, a melhor temporada da era Jorge Jesus, com uma média de golos sofridos de 0,43 (em 2013-14 foi de 0,6 e de 0,7 na época anterior).

Foi no último terço da temporada passada que o Benfica embalou definitivamente para a conquista do título, aparentemente até tem um calendário mais favorável para o voltar a repetir, mas convém não esquecer que esta equipa do FC Porto chega a esta fase do campeonato mais consistente do que na época anterior.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


SL Benfica 6-0 Estoril

por João Silva, em 01.03.15

Em dia de festa, celebração do 111.º aniversário, o Benfica deu aos 46.712 adeptos uma vitória como prenda, complementada com uma exibição muito positiva, com alguns momentos de “nota artística.

Na busca pelo golo desde o apito inicial, Jonas esteve em plano de evidência nos primeiros minutos. Aos 10’, o avançado brasileiro atirou ao poste e aos 16 minutos, após cruzamento de Gaitán, obrigou Kieszek a estirada em grande estilo para evitar o tento inaugural das “águias”. Na sequência do pontapé de canto, Luisão, ao primeiro poste, de cabeça, deu a primeira alegria às bancadas da Catedral.

O Estoril foi tentando responder com transições rápidas que obrigavam Artur Moraes e seu pares a estarem em constante sentinela. Porém, estes pequenos sustos não conseguiram travar o maior ímpeto ofensivo dos da casa que chegaram ao 2-0, aos 25’, através de Salvio que encostou após passe com peso e medida de Lima.

A exibição Benfiquista era de alto calibre e os “canarinhos” estavam resignados a tanta superioridade. À passagem do minuto 33, Pizzi num remate de ressaca, forte e colocado, fez o 3-0 e dois minutos depois foi Jonas a lograr o tento da goleada ao finalizar uma jogada mágica de um coletivo muito forte.

Muito perto da “manita” esteve Nico Gaitán aos 40 minutos que após receber um passe assombroso de Samaris atirou um pouco ao lado da baliza adversária quando estava sozinho na área. Ao intervalo, o 4-0 era o espelho de uma exibição de luxo, com um Futebol rendilhado do SL Benfica em dia de aniversário.

Na etapa complementar, o jogo parecia estar algo morno, mas o ascendente Benfiquista continuou e aos 56 minutos, Lima, através de uma grande penalidade cometida sobre Jonas, completou a mão cheia. Motivado, o camisola 11 tentou bisar com um bonito toque de calcanhar mas a bola saiu à figura de Kieszek (64’).

Minutos depois, João Capela expulsou o médio Eziti por alegada mão na bola e o que já era difícil tornou-se inglório para a equipa da Linha de Cascais. Porém, aos 78 minutos, Leo Bonatini quase marcou ao aparecer isolado frente a Artur que foi rei e defendeu para canto. Respondeu o Benfica por Salvio que disparou aos 82 minutos e testou a atenção do guardião estorilista.

Da mão cheia à meia-dúzia distam 30 minutos com Jonas a bisar numa recarga a remate de Ola John (86’).

 

Num jogo em que tem de ser elevada a excelente capacidade do Benfica enquanto equipa, os médios argentinos, Salvio e Gaitán – este num regresso após lesão –, “pincelaram” o jogo com magia, velocidade, técnica, golos e muita capacidade de desequilíbrio em ambos os flancos. Pizzi também esteve em evidência pelo golo, pelo que jogou e fez jogar, nomeadamente na primeira parte.

O SL Benfica segue líder da classificação com 59 pontos em 23 jogos.

O Sport Lisboa e Benfica alinhou de início com Artur Moraes; Maxi Pereira, Luisão, Jardel, Eliseu; Samaris (Cristante, 85’), Pizzi (Talisca, 67’), Salvio, Gaitán (Ola John, 73’), Lima e Jonas.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Sporting - Benfica, antevisão

por João Silva, em 08.02.15

sporting-benfica.jpg

 “Não há favoritos, hoje, amanhã, e não sei daqui a quantos anos. É o dérbi de Lisboa, dois clubes com uma história muito grande no Futebol português”. Esta frase dita por Jorge Jesus, na antevisão à partida da 20.ª jornada da Liga portuguesa ajuda a resumir muito bem o sentimento em torno deste jogo e da sua importância.

Para os lisboetas, nomeadamente, para os portugueses em geral, um Sporting – Benfica ou vice-versa é muito mais do que um jogo de Futebol em que estão três pontos em disputa. É uma questão de afirmação de um rival sobre o outro, é uma questão de honra, de orgulho… Joga-se muito mais do que simples três pontos.

Dos últimos anos a esta parte, o Benfica leva vantagem sobre o Sporting e neste não será excepção, pelo menos se olharmos para a classificação, onde as “águias” lideram com sete pontos de vantagem. Se atentarmos à história contemporânea, mormente a partir de 2001/02 – última vez que o Sporting se sagrou Campeão Nacional – verifica-se a desproporção existente na balança. Em 40 dérbis, na Luz ou em Alvalade, o Benfica venceu em 17 ocasiões, perdeu 12 vezes e aconteceram 11 empates.

O Sporting joga em casa, vem de um bom momento (seis vitórias consecutivas na Liga) e precisa de ganhar para não hipotecar a corrida pelo título. Desta forma é natural que os comandados por Marco Silva entrem fortes e tentar pegar no jogo para marcar cedo; já o Benfica será sempre líder independentemente do resultado, mas Jorge Jesus disse que os futebolistas que lidera jogarão apenas para um resultado: a vitória! É este o ADN do Benfica e que nenhuma vantagem pontual pode escamotear.

Tudo a postos para o grande dérbi. A partir das 20h00 rola a bola no tapete verde do estádio Alvalade XXI.

Fonte: SLBenfica.pt

 

 CARREGA BENFICA!!!

Autoria e outros dados (tags, etc)


um passado de glória um futuro de vitória benfica




twiiter

# Classificação 2017/18




# Universo Benfiquista











titulos GLORIAS ETERNAS

eusébio
Mario Coluna








Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D


CONTACTO emailsilva.joaodiogo@hotmail.com